segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Resenha - Império

Olá meus leitores, seguidores, parceiros, queridos, enfim, amigos!

Bom dia!

Vamos ler mais uma resenha hoje? Como vocês sabem, eu amo história. Quem não gosta de saber o como era a vida e o que pensavam os que vieram no pretérito, né? E acho especialmente interessante quando alguém romanceia algum evento histórico. É muito convidativo para mim, muito embora eu tenha apreço por ler qualquer gênero literário.

Quarta-feira eu trouxe nesse espaço a resenha de "O tigre de Sharpe", livro que mostra a história do recruta Richard Sharpe nas Guerras Napoleônicas. Hoje, a gente volta mais um bocadinho na história. Iremos até o Império Romano com o livro: Império, de Steven Saylor, grande obra desse gênero que eu rotulo agora e da minha cabeça como "história romanceada" 

Vamos começar!

O que diz o Skoob:

O Império Romano como nunca se viu. Continuação do épico iniciado em Roma.


O Grande Incêndio de Roma, a perseguição de Nero aos cristãos, os impressionantes jogos de abertura do Anfiteatro Flaviano. Império conta a história dos momentos mais dramáticos e definitivos da história de Roma. Através das escolhas e tentações que cada geração da família Pinário precisa enfrentar. 

Pouco mais de cem anos separam as cinco gerações da família Pinário. É nesse período que Steven Saylor constrói sua fascinante saga, na qual os integrantes dessa família servem a diversos imperadores tentando sobreviver às maquinações mortais da política da Roma Antiga. 

Enquanto um membro da família se torna um brinquedo nas mãos da sedutora Messalina, outro se apaixona por uma virgem vestal. Um deles fica encantado por Nero e outro se torna integrante do estranho novo culto chamado cristianismo.

Na continuação de Roma, Steven Saylor revive a Roma Antiga em um romance sobre uma cidade e um povo que até hoje permanecem vivos na memória. 

• “Recomendo a todo amante da história de Roma.” – Library Journal

• “Os Pinários oferecem uma admirável lente através da qual se pode acompanhar tanto a vida dos imperadores quanto das pessoas comuns. Um fascinante romance histórico.” – Booklist

• “Steven Saylor escreve com maestria a sobrevivência de uma família à destruição de Pompeia, ao Grande Incêndio de Roma e à perseguição a judeus e cristãos.” – Publishers Weekly


Minhas impressões:

Ganhei esse livro de Natal da Mari. O primeiro, Roma, eu já tinha ganho dela também, só que de aniversário no ano passado.

Império é a continuação do espetacular livro "Roma". Eu já fiz a resenha do primeiro volume aqui no blog. Quem não se recorda, basta acessar esse link aqui. Em Império continuamos de onde o autor parou em Roma e a história prossegue.

É preciso citar que nos dois livros o autor usou o mesmo método para contar a sua história: ele criou duas famílias, Pinário e Potício e aso longo da história romana ele coloca os personagens das famílias vivendo aquele determinado período. Em Roma, Steven Saylor atravessa a história com duas famílias, os já mencionados Potício e os Pinário. Já em Império ele segue a linha do tempo apenas com os Pinário.
Meu xará!
Em Roma, o autor nos leva desde a criação da Cidade Eterna com os gêmeos Rômulo e Remo alimentados pela loba em 753 a.C, (sempre com algum Potício e Pinário como coadjuvantes, como se tivessem vivido aquele evento) até o fim da República Romana com Júlio César, Marco Antonio e Cleópatra em 37 a.C.

Nesse primeiro livro, temos diversos capítulos, tratando das mais diferentes épocas romanas. Depois de criada pelos gêmeos, passamos pela era dos Seis Reis de Roma até a queda do sexto e último Rei de Roma, Tarquínio, o Soberbo, até a República Romana, quando o livro chega ao fim

Tudo isso eu citei na resenha de Roma, que eu fiz em 2015, cujo link está acima.

Já em Império, o autor se concentrou apenas em contar como era a vida (sempre na visão de um Pinário) como se dava o Império Romano. Divino Augusto foi o primeiro Imperador, seguido por Tibério. Calígula foi o próximo. Cláudio ascendeu ao poder com a morte de Calígula. Nero veio em seguida. Oto, Galba, Vitélio Vespasiano, Domiciano e Adriano. Ufa! Esses são os imperadores que são mencionados no livro e que aparecem governando ou fazendo outras coisas mais terríveis, como o autor frisa em Calígula e Nero.

O livro é dividido em quatro capítulos: o bisavô Lúcio Pinário. O avó Tito Pinário (e seu irmão gêmeo cristão Késio Pinário. Falarei mais sobre isso adiante). O pai Lúcio Pinário e o filho Marcos Pinário, o Pigmalião. 

Que dupla mais linda! Essa dupla poderia muito bem ser um trio!
Nesses quatro capítulos, a vida de cada um dos Pinário é abordada. Lúcio é o primeiro, vivendo na época de Augusto e de Tibério. Nobre de família patrícia, Lúcio Pinário casa-se com uma plebéia, mas os acontecimentos lhe fazem ser banido de Roma, tendo ido com seus filhos Tito e Kesio para Alexandria, no Egito.

No segundo capítulo, Tito e Késio já são adultos e voltam para Roma. Eles são muito diferentes e a história toma o rumo apenas de Tito, que permanece romano até o último suspiro. Eles passam por Calígula, onde é mostrado para o leitor uma cena extremamente bizarra do encontro de Tito e Késio com o Imperador desavergonhado. 

A vida de Calígula é mostrada com todas as safadezas que ele é conhecido. Percebemos a maestria do autor em misturar a realidade dos fatos históricos que aconteceram na corte de Calígula com a ficção de inserir uma família de patrícios em meio aquela efervescência toda.

Entre Calígula e Nero, também havia outro Imperador: Cláudio. Cláudio era gago e aparentemente sem perspectivas de assumir o trono e também visto como menos hábil para governar. Mesmo assim vira imperador e Tito também vive nessa época, que é bem retratada pelo autor, sobretudo nas traições da mulher do Imperador Cláudio, a famosa Messalina.

Leitores, vocês sabem que Messalina atualmente é sinônimo de mulher extremamente lasciva e dissoluta. Já nos dicionários vocês podem encontrar Messalina como sinônimo de prostituta. Sabendo disso, já podem perceber como foi a conduta da esposa do Imperador Cláudio. Não precisa de muito para deduzir. E essa fase toda é retratada no livro.

Depois, Tito se separa de Késio e continua sua vida, sendo senador romano durante o reinado de Nero, com todas as histórias curiosas e inóspitas daquele período. Não vou entrar aqui em todos os detalhes, para que o leitor possa descobrir sozinho os prazeres da leitura desse livro tão impactante.

Mas antes de continuar, vou dizer sim que a cena do assassinato de cristãos na arena a mando de Nero é particularmente interessante. O autor dá uma reviravolta na história que chega a assustar quem lê. 

Nero é retratado como um , um ensandecido artista que quer ser reconhecido como indispensável para a vida das belas-artes da cidade. Alguém que ficou louco com o tamanho do poder que tinha em mãos e que tinha aptidão para entreter, não governar. 

Calígula: o ápice da depravação
Depois de matar a mãe, Cornélia, o mentor grego, Sêneca, os senadores mais próximos, os amigos e também matar a própria esposa com chutes, Popéia Sabina, Nero manda emascular um menino grego que se assemelhava a esposa e celebra um casamento público com ele! Esporo era um liberto e tinha uma semelhança com Popéia. O queo imperador Nero fez? Passou a chamar Esporo pelo nome da falecida esposa! Essa é apenas uma única das extravagâncias contadas no livro perpetradas pelo imperador que colocou fogo na Cidade das Sete Colinas.

Depois de Nero, o livro passa rapidamente pelos outros imperadores, muda de personagem e vai para o terrível (pior ainda que Calígula e Nero) Domiciano. Dessa vez, Lúcio Pinário é quem vive a época de extrema violência de Domiciano, vivendo um amor proibido.

No quarto e último capítulo, Adriano, um imperador apaixonado por um menino grego, Antino, se torna amigo do último Pinário, Marcos, o Pigmalião, um escultor muito renomado. Marcos se casa e tem um filho e a linhagem aparentemente continua e o sobrenome Pinário teria sucessor.

Eu iria gostar muito se o autor escrevesse um terceiro volume, mantendo a família Pinário através da passagem de outros imperadores romanos e mostrando a evolução da cidade. Eu iria comprar e se o livro se mantivesse fiel a esse molde, eu tenho certeza que eu apreciaria.

Império ainda vem com um mapa de Roma, que ajuda o leitor a se situar quando na trama é contado o local onde o evento teria acontecido.

Livros admiráveis devem ser retratados com todo o esmero que eles merecem. Por isso a resenha enorme. Peço desculpas pelo tamanho, mas um livro com quase 600 páginas requer uma explanação rica também!

Até a próxima, amigos!



Dados do livro

Nome: Império
Autor: Steven Saylor
Editora: Record
Páginas: 574









15 comentários:

  1. Oi Marcos eu não conhecia esse escritor, o livro parece ser bem interessante, e adoro livros que se passa em outro seculo com certeza vou ler bjs.

    ResponderExcluir
  2. Marcos,gosto muito de história e ler um livro sobre o Império Romano é muito bom e interessante.Não li ainda o primeiro,mas pretendo e em seguida ler esse segundo.Legal o autor ter criado uma família para cada livro para contar a história,gostei do livro mencionar vários imperadores.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Marcos!
    Preciso confessar que: eu odeio história (não me odeie por isso kkk')
    A verdade é que nunca me dei bem na área de humanas. Sempre fui ótima em exatas e códigos, mas o que é incrível é que eu adoro assistir filmes relacionados a história. Nunca li nada do gênero, sobre nossos antepassados e nossas origens justamente pelo motivo de não gostar da área de humanas, mas confesso que depois de ler essa resenha me interessei muito para descobrir mais sobre como era o império romano. Outra coisa engraçada é que adoro mitologia, mas esse sentimento foi desperto após ler A Saga do Tigre, que falava sobre mitologia indiana, então passei a pesquisar sobre outras e me encantei pela temática. Enfim kk' tentarei embarcar no mundo dos nossos pretéritos e ver se não é apenas um trauma que tenho do meu tempo escolar !
    Beijinhos <3

    ResponderExcluir
  4. Marcos, que grande história você leu, viu? Eu estou sem palavras por tantos acontecimentos em um só livro! Adoro livros históricos e não me canso de dizer isto, e saber que Império possui relatos dos acontecimentos reais em Roma mesclado com histórias inusitadas dos Pinário me instigou a ler. Espero que eu também possa ter essa mesma oportunidade e me aventurar nesta viagem de volta ao passado.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Gosto muito de historia principalmente sobre Roma através dos seculos mais não conheço a historia toda e achei esse livro muito interessante principalmente o modo que o autor aborda e se tiver oportunidade quero ler esse livro !

    ResponderExcluir
  6. Oi nunca tinha visto falar nem do livro e nem do autor, mas pelo que li na sua resenha esse livro deve ser muito bom mesmo a escrita do autor

    ResponderExcluir
  7. Olá, achei a resenha interessante os livros me chamaram a atenção, nunca tinha ouvido falar desses livros e como você os descreveu parece ser muito bons.

    ResponderExcluir
  8. Tudo que aprendi sobre o império romano se resumi as aulas que tive no colégio, ou seja não muita coisa, gostei de conhecer essa duologia e pretendo ler para me aprofundar mais no assunto. gosto muito de história e crio que a leitura dos livros vai ser bem agradável.

    ResponderExcluir
  9. Juro que qnd vi Resenha "Império" pensei na novela e já ia fechar o blog kkkk

    ResponderExcluir
  10. Nossa eu não conhecia nenhum dos livros, parecem ser ótimos, nossa eu sou apaixonada por Roma kkkkkkkk, as capas são lindas e o autor parece que soube trabalhar muito bem o livro, irie colocar na lista.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  11. Não conhecia o livro, mas ja fiquei curiosa adoro esses livros históricos, pois sempre é possível ter uma visão do passado.

    ResponderExcluir
  12. Nossa, nem acredito que ainda não conhecia esses livros, porque sou apaixonada por história e, principalmente, a época do Império Romano. Vou agora mesmo procurar saber mais ainda sobre esses livros, porque eles tem tudo para me agradar. E dá para ver que é uma narrativa cheia de detalhes, do jeito que me agrada.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  13. Apesar de não gostar desse estilo de leitura,a premissa indica ser um livro interessante.
    Gosto do fato de o autor misturar a realidade dos fatos históricos com a ficção,pois nos faz pensar que realmente aconteceu,e isso na leitura é mágico.
    Fim da conversa no bate-papo

    ResponderExcluir
  14. não conhecia esse livro
    fiquei curiosa agora rsrsrs
    adorei a resenha!adoro livros que é vivenciada em outra época;)
    bjs

    ResponderExcluir
  15. Oi Marcos!
    Apesar do livro ser banaca eu acho que não o leria. História não era minha matéria favorita na escola rsrs
    O livro é bem grande e parece ser mesmo denso, acho que só para quem gosta mesmo.
    Bjs

    ResponderExcluir

Amigos leitores, sintam-se a vontade para comentar o post. Peço que, por favor, ao tecerem os comentários, não utilizem palavras e expressões que possam ofender os demais. Obrigada.