quarta-feira, 3 de junho de 2015

Resenha - Sua Santidade - as cartas secretas de Bento XVI

Amigos do Cantinho!

Bom dia pra vocês! Como vão? Espero que bem!


Nessa quarta-feira a resenha é do livro do jornalista italiano Gianluigi Nuzzi e que fez enorme sucesso no mundo em 2013, quando expôs ao mundo as cartas roubadas do apartamento papal contendo diversas informações confidenciais.

O livro "Sua Santidade - as cartas secretas de Bento XVI" foi traduzido para mais de 10 idiomas e mostrou um pouco da diplomacia dentro dos Palácios Sagrados.

Ganhei esse livro de Natal de Mari. Eu já disse aqui que ela sempre me enche de livros e eu adoro isso? Se eu nunca disse isso antes, aproveito pra deixar registrado! E como amanhã é um feriado religioso, Corpus Christi, que em latim significa Corpo de Deus, trago um livro que aborda o tema da religião.

O que diz a contracapa:

Jamais havia acontecido. Jamais alguém havia tido acesso aos Aposentos do Papa e à sua correspondência privada. Centenas de documentos que revelam a precariedade cotidiana da Igreja.

Neste livro que tanto tem dado o que falar em todo o mundo, Gianluigi Nuzzi, revela, graças a documentos fornecidos por uma fonte secreta, as histórias, as personagens e os assuntos que atualmente dividem a Igreja e estabelecem poderosas ligações entre esta e os centros de poder político.

São várias as descobertas que deixam a claro as lavagens de dinheiro operadas pelos negócios da Igreja como o banco do Vaticano, que dão a conhecer a real influência que a Igreja tem na política italiana, que falam das intrigas que ocorrem no Vaticano por causa das guerras de poder internas, que revelam o dinheiro que a Igreja ganha com a pornografia, que confirmam a existência dos serviços secretos no Vaticano, entre outros...

Nuzzi junta as pontas das histórias que, em conjunto, se ligam como capítulos de um thriller. A vontade de quem disponibilizou esses documentos, quebrando sigilos e colocando em risco as pessoas da sua confiança, é dar força e coragem a todos aqueles que, dentro da Igreja, não se reconhecem numa instituição que, sobretudo, gerencia benefícios, negócios e poder, e lutam para que a Igreja esteja mais próxima aos corações dos homens e reencontre o abraço solidário de todos os fieis espalhados pelo mundo.

O que eu achei:

Não gosto e não leio livros que falam mal da minha Igreja, de modo que esse foi uma exceção. Mas na verdade, o livro do autor  italiano não chega a desmerecer a Igreja Católica, mas expõe fatos ocorridos durante o Papado de Bento XVI. É uma grande exposição de fatos analisados através dos documentos que foram roubados do escritório do papa e isso transformou esse linro num livro que trata de política. E como há em qualquer lugar onde a política exista, há os fatos controversos e as disputas de poder existentes.

Para que vocês entendam como gerou o livro, eis uma breve explicação. O autor Gianluigi Nuzzi é um jornalista italiano e descobriu uma fonte secreta, que nem ele sabia o verdadeiro nome, mas que se revelava a ele apenas como "Maria", pois a fonte se autodenominava mensageira, como um mensageiro da boa-nova, assim como Nossa Senhora. Não dá pra saber se a fonte do jornalista estava claramente debochando ao se intitular "Maria" ou se o tal informante acreditava firmemente que roubar e revelar tantos documentos secretos iria fazer alguma mudança na Cúria Romana.

Mas o mundo acabou descobrindo quem seria o tal informante. Era o mordomo leigo do Papa Bento XVI, o italiano Paolo Gabriele. O mordomo trabalhava no Apartamento Papal e tinha acesso ao quarto do Pontífice, bem como ao seu escritório. Gianluigi Nuzzi não confirma, nem nega que a sua fonte secreta que cedeu os documentos seja mesmo o mordomo, mas os "carabinieri" italianos tiveram permissão para entrar no Vaticano e prender o mordomo, que foi preso e acusado de ter furtado os documentos da mesa do papa. Até porque foram encontrados alguns documentos secretos em poder do mordomo. Resultado: Paolo Gabriele foi condenado na justiça italiana pelo crime cometido.

Meses depois, o Papa Bento XVI fez uma visita ao agora ex-funcionário, tendo perdoado Paolo Gabriele pela traição.
Imagem retirada da internet mostrando Papa Bento XVI e o mordomo Paolo Gabriele.
Mas o estrago já estava feito e os documentos já tinham caído nas mãos da imprensa, que fez uma ampla divulgação deles. O porta voz do Vaticano, padre Federico Lombardi batizou o caso com um nome bem original: "Vatileaks", em referência ao "Wikileaks", sobre os documentos secretos do serviço secreto norte-americano que foram divulgados em 2012.

Cardeal Tarcisio Bertone
No livro, fica clara a interferência do Cardeal Secretário de Estado, Tarcisio Bertone nos assuntos do Santo Padre. A Secretaria de Estado é um dos órgãos mais importantes do Vaticano e tem a função de auxiliar o Papa nas suas decisões políticas e na diplomacia. O Secretário é muitas vezes chamado de o número dois na hierarquia do Vaticano, porque possui vasto poder. Ocorre que Tarcísio Bertone parece querer ser mais importante que o Papa, tendo ele decidido no lugar de Bento XVI em muitas ocasiões. Isso o livro mostra com clareza. 

Em certa parte do livro o autor mostram cartas escritas por outros cardeais e membros da Cúria pedindo para Bento XVI afastar ou trocar seu Secretário de Estado. Isso porque Tarcisio Bertone tinha poder demais e sua influência já alcançava locais onde só o Papa podia mandar, mas Bertone ia longe demais. Mas Bento XVI insiste em manter Bertone no cargo. 
A verdade é que Bento XVI por ingenuidade ou falta de experiência manteve Tarcisio Bertone como seu Secretário de Estado e essa decisão lhe custou inúmeros problemas. O jornalista nos explica que para Bento XVI alterar os quadros da Secretaria de Estado poderia soar aos olhos do mundo que seu papado estava ruindo.

Inúmeras cartas mostradas no livro são dirigidas ao braço direito do Papa, o fiel Monsenhor alemão Georg Gänswein com reclamações contra o Cardeal Secretário de Estado, que eram relatadas ao Santo Padre. Já que o próprio Papa não consegue ver a influência negativa de Bertone, quem sabe o seu assessor não o convence? Por isso, muitas correspondências dirigidas ao Santo Padre também eram destinadas a Gänswein.
 
Dom Georg Gänswein foi um servo tão fiel e amigo do Papa que no seu último dia de Pontificado, Bento XVI o premiou com um cargo na Prefeitura da Casa Pontifícia, dando-lhe um cargo no próximo Pontificado, que seria do Papa Francisco.
Dom Georg Gänswein: amigo verdadeiro do Papa
Sobre a parte que mostra a relação da Igreja com a política da Itália, é preciso uma observação: o leitor pode ficar meio perdido ao ler o livro, pois há a menção a inúmeros membros da Corte Papal e também de políticos italianos e europeus. Admito que precisei recorrer a internet em inúmeras vezes pra saber quem eram os políticos e as outras pessoas ali citadas. Para nós, sul americanos que não estamos ambientados com os personagens da política italiana, o livro pode parecer desinteressante, afinal de contas é bastante alheio à nossa realidade.

Inúmeros casos entre eles da administração de um hospital, a troca do diretor de um jornal católico falsamente acusado de pederastia e as contas do IOR, o banco do Vaticano mostram como a diplomacia é tratada em Roma.

Acredito que para o livro ser melhor, algumas fotos podiam ser adicionadas no meio do livro, para ajudar o leitor a criar uma identificação com os envolvidos. 

E não pude deixar de notar alguns pequeninos erros no decorrer do livro inteiro; cito apenas um único exemplo agora: logo na página 13, consta a palavra "intensão" mas o sinônimo para "desejo", "vontade" é "intenção", grafado com "Ç". Nada que uma revisão por parte da editora não resolva para aprimorar a obra.

Espero que todos tenham gostado!

Até a próxima quarta-feira!










Dados do livro:
Nome: Sua Santidade - as cartas secretas de Bento XVI
Autor: Gianluigi Nuzzi
Editora: Leya
Páginas: 303



8 comentários:

  1. Ei Marcos, acho interessante esse livro de leitura, mas não sinto vontade de lê-lo. É realmente complicado ler sobre algo que você goste ou segue. Gostei da resenha.

    Beijos, Gabi
    Reino da Loucura

    ResponderExcluir
  2. Oláá
    Está uma ótima resenha mas não é o gênero que procuro por agora apesar de bem interessante, que bom que gostou da leitura.

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi,
    Geralmente livros nesse estilo me instigam a leitura, para conhece determinados assuntos, por ser um obra tão interessante daria uma oportunidade, assim como você iria recorre várias vezes a internet diante de nomes que não conheço, mas por enquanto deixo como uma possível leitura mais adiante, sem aquela pressa.
    Parabéns pela resenha.
    Beijos
    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  4. Oi, tudo bem?
    Eu não vejo problemas em livros com esse tema, igreja, mas não sei se leria, não é um gênero que me atraia.
    Apesar de curtir livros que tratem informações reais, quem sabe algum dia eu leia. Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi Marcos, tudo bem?

    Também não gosto de ler livros que falem mal da Igreja, o que acontece na maioria das vezes, infelizmente. Quanto aos escândalos, eu gosto muito do que o Papa Francisco tem falado: a Igreja é feita de homens. E como um organismo feito de homens, muitos pecam, muitos se desvirtuam, isso aconteceu e vai continuar acontecendo.

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Marcos, tudo bom?
    Achei esse livro interessante do ponto de vista jornalístico e também curioso da minha parte. Não tenho problema em ler livros religiosos e acredito que seria uma leitura bastante enriquecedora pra mim. Não conhecia esse livro ainda.
    Acho que o papado do Bento XVI foi bem conturbado.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Bem, não sei se eu leria, não por conta da relegião, na verdade, sou mente aberta e procuro compreender qualquer tipo de literatura, mas não senti interesse em ler esse livro, achei a história um tanto monotoma, mas quem sabe no futuro?

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Marcos, tudo bem?

    Eu não leio muitos livros sobre religião, mas adoro as resenhas que vocês fazem, pois sempre posso indicar para a minha mãe que adora ler esse tipo de livro. Em relação a este livro específico eu acho que gostaria de ler para saber mais sobre a igreja católica atual.

    Abraços.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Amigos leitores, sintam-se a vontade para comentar o post. Peço que, por favor, ao tecerem os comentários, não utilizem palavras e expressões que possam ofender os demais. Obrigada.