sexta-feira, 5 de junho de 2015

Resenha - Cinderela Pop

Oi gente, tudo bem?
 
Você é como eu e adora um conto de fadas? Não importa a idade, eu sempre vou gostar! Por isso, fiquei super feliz com a oportunidade de ler mais uma releitura feita pela Paula Pimenta e publicada pela Galera Record.
 
A Paula Pimenta está escrevendo releituras das histórias das princesas. Já resenhei por aqui Princesa Adormecida (para conferir, basta clicar aqui) e agora é a vez de Cinderela Pop, que li para o blog Livros e Chocolate Quente. A resenha foi originalmente publicada lá na minha coluna no blog Livros e Chocolate Quente (clique aqui), em 13 de maio de 2015.
 
Vamos conhecer a história?
 
O que diz a contracapa:
 
Cinderela Pop
 
 
"Nesta versão estendida do super conto de Paula Pimenta no Livro das Princesas, Cinderela é reinventada. Cintia é uma princesa dos dias atuais: antenada, com opiniões próprias, decidida e adora música! Mas a garota vê seu cotidiano virar de cabeça para baixo depois da separação dos pais: vai morar com a tia, se afasta do pai e, principalmente, deixa de acreditar no amor. Até que um encontro inesperado e revelador a faz rever as próprias escolhas – havia mesmo um belo príncipe em sua história, e tudo que ele mais queria era descongelar o coração da nossa gata (nada) borralheira!"
 
*sinopse encontrada na página do livro no SKOOB
 
 
 
 
 
 
O que eu achei:
 
Eu pareço criança quando começo a falar de Disney e de princesas. Cresci apaixonada por esses reinos encantados, pelos filmes, pelas músicas. Sabia (e sei, confesso) as falas de cor de muitos filmes de princesas e adoro ler histórias relacionadas.

Foi assim que Cinderela Pop veio parar na minha estante. A Dre sabe que eu adoro essas coisas e perguntou se eu gostaria de resenhar para o blog. Eu, claro, aceitei na maior alegria.

O livro Cinderela Pop é uma versão estendida do conto publicado pela Paula Pimenta no Livro das Princesas. Eu não li o conto, então a história inteira foi novidade para mim.

Cintia tem 17 anos e a vida que pensava ser perfeita até que o mundo em que ela conhecia desmoronou em cima dos seus ombros. Ela presenciou uma traição de seu pai enquanto a mãe viajava a trabalho. A partir de então, Cintia mudou completamente, não quis mais saber do pai, se mudou para a casa da tia, passou a usar só roupas pretas e, principalmente, desacreditou na existência do amor.

Até que uma proibição para uso do celular nas dependências do colégio (única forma de se comunicar com a sua mãe que estava no Japão) fez com que Cintia se sentisse obrigada a apelar para o pai. Sabia que se ele pedisse à direção da escola, eles abririam uma exceção. O pai exigiu algo em troca, que ela fosse à festa temática de 15 anos de suas irmãs, ou melhor, das filhas gêmeas da nova esposa de seu pai.

Cintia escondia do seu pai que trabalhava como DJ aos finais de semana. O que começou como um hobby para escapar dos problemas tornou uma paixão e uma fonte de renda. A tia tinha regras rígidas: só podia trabalhar aos finais de semana, acompanhada por um adulto e deveria retornar à meia noite, o que rendeu à Cintia o apelido carinhoso de DJ Cinderela.

Não podia ser verdade! Ao checar sua agenda Cintia confirmou que tinha assumido um compromisso como DJ no dia da festa e, ao comparar os endereços entrou em pânico: iria tocar na festa das enteadas do seu pai!

Com a ajuda da tia e de Lara, sua melhor amiga, Cintia descobriu uma forma de cumprir o compromisso de DJ e depois se passar como uma convidada qualquer sem que seu pai percebesse. Mas a DJ Cinderela não contava com outro mascarado na festa, alguém que ela julgava ser metido a galã e arrasador de corações. Alguém que, mesmo sem querer, fez o coração dela voltar a bater no ritmo certo: Fredy Prince, a sensação pop que tirava suspiros de todas as meninas da sua geração.

Paula Pimenta realmente tem o talento de trazer os contos de fadas para a realidade. Todo o conceito da história da Cinderela está presente nesse livro: o nome, o horário de retorno para casa, o príncipe, a madrasta má e suas filhas irritantes e até o sapatinho, que no caso é um all star preto estilizado.

Cintia sofre na mão da madrasta e dá vontade de sacudir o pai que está de olhos fechados para tudo. Gostei da forma como a autora conduziu a história e inseriu as nuances do conto de fadas na realidade de Cintia. Tudo o que aconteceu com ela foi mágico, mas possível!

A história é simples, mas acho que cumpre bem o seu papel de releitura para os dias atuais. Confesso que gostaria que fosse um pouco mais elaborada, tudo acontece muito rápido e, em um piscar de olhos, o livro acabou. Li em apenas um dia, são só 156 páginas, letra de bom tamanho e algumas páginas ainda são preenchidas com "reportagem de revistas" sobre Fredy Prince (acho que não curti muito o nome do príncipe dos dias atuais, mas tudo bem!).

Eu ainda prefiro a versão clássica, porque gosto muito de clássicos. Mas tenho certeza que Cinderela Pop vai conquistar os corações das meninas.

Espero que gostem!

Com carinho,
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dados do livro:
 
Nome: Cinderela Pop
Autor: Paula Pimenta
Editora: Galera Record
Páginas: 160

 
*resenha publicada originalmente na minha coluna no blog Livros e Chocolate Quente, em 13 de maio de 2015.

Um comentário:

  1. Eu adorei o livro, na verdade adoro todos os livros da Paula, ela tem esse talento incrível de conseguir nos agradar com livros que já estavam ótimos, tornando eles ainda melhores! Apesar de também adorar os clássicos, a Paula fez um ótimo trabalho nesse livro e é um dos meu xodós. Concordo com você em relação do livro ter sido muito rápido, o livro acabou e eu fiquei com um desejo tão grande de saber o que aconteceu mais para frente.. Não sei explicar, mas concordo com você!
    Abraços,
    Fabi do Blog: http://fadoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Amigos leitores, sintam-se a vontade para comentar o post. Peço que, por favor, ao tecerem os comentários, não utilizem palavras e expressões que possam ofender os demais. Obrigada.