segunda-feira, 13 de abril de 2015

Resenha - As Cores do Entardecer

Oi gente, tudo bem?
 
As Cores do Entardecer foi o melhor livro que eu li em março. Uma história emocionante, cativante, que te leva às lágrimas, à indignação e parte o seu coração em mil pedacinhos.
 
Li o livro para o blog Livros e Chocolate Quente, onde sou colunista. A Dressa me enviou em parceria com a Editora Novo Conceito e eu agradeço, tanto a Dre quanto a Editora, pela oportunidade de conhecer a história.
 
Não poderia deixar de indicar o livro por aqui também, mas a resenha foi originalmente publicada na minha coluna no blog Livros e Chocolate Quente, para conferir basta clicar aqui!
 
Espero que gostem tanto quanto eu!
 
O que diz a contracapa:
 
As cores do entardecer"A sonhadora Isabelle e o determinado Robert desejavam, com todas as suas forças, se entregar à paixão que os unia. Mas uma jovem branca e um rapaz negro não poderiam cometer tamanha ousadia em plena década de 30, em uma das regiões mais intolerantes dos Estados Unidos, sem pagar um preço muito alto.

Diante dos ouvidos atentos da cabeleireira Dorrie, a história do amor trágico e proibido se desdobra, enquanto mudanças profundas se instalam em sua própria vida.

Com personagens humanos e, por isso mesmo, memoráveis, As Cores do Entardecer mostra que as relações afetivas muitas vezes são mais profundas que os laços de sangue. A cada etapa da viagem de Isabelle e Dorrie, as lições sobre otimismo e fé se multiplicam."



O que eu achei:

 
Há algum tempo não leio um livro que tenha me fisgado a tal ponto que, se eu pudesse, dobrava o número de xícaras de chocolate quente. As cores do entardecer merece não cinco, mas dez dessas deliciosas xícaras.

Isabelle é uma senhora de 80 anos que, certo dia, cruza o caminho de Dorrie, uma cabeleireira divorciada e mãe de dois filhos, que não consegue confiar mais em nenhum homem que apareça em sua vida. Isabelle e Dorrie não têm nada em comum mas, desde a primeira vez que Isabelle sentou em uma cadeira na frente de Dorrie para que ela arrumasse seu cabelo, se tornaram amigas.

Apesar da amizade de 10 anos, Dorrie pouco conhece do passado de Miss Isabelle. Já viu algumas fotos do marido e do filho espalhadas pela casa, mas sabe que ambos já faleceram.

Isabelle tem Dorrie como uma filha. O relacionamento das duas é bonito de acompanhar. Dorrie conhece Miss Isabelle como ninguém e, quando esta pediu que ela a acompanhasse a uma viagem de alguns dias de carro, do Texas a Cincinnati, para comparecer a um funeral, Dorrie não pôde negar, afinal, é a única pessoa em quem Miss Isabelle podia contar.

Ao longo da viagem, com Dorrie ao volante e Miss Isabelle com a revistinha de palavras cruzadas no colo para passar o tempo, a senhora enfim pôde desabafar sobre o seu passado e contar a Dorrie o real motivo da viagem e de quem era o funeral.

Miss Isabelle nos leva a uma viagem a Cincinnati nos anos 30. Conta a Dorrie como foi a sua infância e adolescência em um lar onde a mãe fazia tudo pela aparência, os irmãos não tinham limites e o pai, apesar de bondoso, não tinha qualquer voz ativa diante dos mandos e desmandos da mãe. Fala pela primeira vez sobre Robert, seu primeiro amor.

Robert era filho de uma senhora que trabalhava em sua casa. Sua irmã, Nell, também trabalhava para a família de Miss Isabelle e, durante a infância, brincavam juntos o tempo todo.

Segundo as regras da época, o relacionamento secreto de Isabelle e Robert estava destinado ao sofrimento. O preconceito imperava na cidade, ao ponto absurdo de, pasmem, existir uma placa que impedia a estadia de qualquer pessoa negra na cidade após o escurecer. Mas, desde que Robert a salvou de um mau passo, Isabelle só tinha olhos para ele e não se importava com o que iriam enfrentar.

Dorrie ouvia e se emocionava com cada fase da vida de Miss Isabelle. Ela era negra e já sentiu o preconceito, mas não ao ponto como era nos anos 30. A cada nova passagem narrada, Dorrie pôde entender o sofrimento que Miss Isabelle carrega no coração.

Por sua vez, Dorrie também tinha a sua carga de sofrimentos. Saiu em viagem deixando os filhos por conta da avó e foi impossível se desligar dos problemas que ficaram no Texas.

Os capítulos são narrados em primeira pessoa, de forma alternada por Dorrie e por Miss Isabelle. Enquanto conhecemos um pouco do passado de Miss Isabelle, acompanhamos o presente de Dorrie. Duas vidas completamente diferentes mas igualmente emocionantes.

Eu me emocionei muito ao longo da leitura. Não tenho palavras para descrever aqui tudo o que Miss Isabelle passou. Senti raiva das regras sem lógica criadas pela sociedade da época, que tentava de toda forma impedir que o amor verdadeiro permanecesse unido. Mas, apesar de intensa, você não sente o passar das páginas, pois a forma de escrita da autora te cativa de tal forma que, quando vê, o capítulo acabou.

Quando eu já tinha certeza de que sabia o que o final me reservava fui pega de surpresa e eu adoro quando isso acontece. Apesar de parecer, a história não foi previsível para mim. O final foi surpreendente e eu gostei da opção que a autora fez para a história.

Não tenho pontos negativos a elencar, ao contrário, a resenha já está grande e eu acho que não consegui descrever o que pretendia quando iniciei o relato. O livro é cheio de sentimentos, de amor, de amizade e uma pitada de drama. Impossível não se envolver.

Recomendo a todos, o meu exemplar já ganhou destaque na minha estante de favoritos e, com certeza, vou procurar outros títulos de Julie Kibler. Uma curiosidade é que a história foi baseada na vida da avó da autora, e imagino que muitas pessoas devem ter passado pela mesma situação de Isabelle e Robert. Vale a pena conferir e se emocionar com a história.

Espero que gostem! Me perdoem se a resenha ficou extensa demais, mas o livro merece!

Com carinho,
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Dados do Livro:

Nome: As cores do entardecer
Autor: Julie Kibler
Editora: Novo Conceito
Páginas: 352


*Resenha publicada originalmente na minha coluna no blog Livros e Chocolate Quente em 06/04/2015.
 


15 comentários:

  1. Oi, Mari.

    A Carlinha do Paradise leu esse livro e não curtiu tanto. O jeito que você o apresentou me deixou curiosa para conhecer esse casal. Muito bacana a narrativa ser intercalada entre duas personagens e em tempos diferentes durante a história. Acho que pegarei esse livro emprestado em breve. Fiquei bem curiosa.

    Beijos.
    Visite: Paradise Books BR // Top Comentarista - After 1 e 2

    ResponderExcluir
  2. Oi Mari!
    Quero muito ler esse livro!
    Imagino que seja uma história intensa e marcante. Mas acho que irei me revoltar muito durante a leitura, por conta das regras impostas pela sociedade e todo o preconceito.
    Parabéns pela resenha! Você conseguiu transmitir o quanto a leitura lhe emocionou!
    Beijos.

    Li
    Literalizando Sonhos

    ResponderExcluir
  3. Oi Mari...
    Todos estão elogiando este livro. Deve ser uma leitura e tanto mesmo.
    Adoro quando um livro me surpreende também, muito bom.
    Bela resenha.

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Mari eu também fiquei apaixonada por esse livro assim que terminei a leitura
    O desfecho pra mim foi surpreendente, porque eu pensava uma coisa e acabou sendo outra. Acho que é um livro que todos deveriam ler. Ele me fez pensar muito sobre a parte do preconceito e também sobre o amor entre os personagens. Eu achei simplesmente MARAVILHOSO. Foi um dos meus melhores do ano e fico feliz de ter tido a oportunidade de fazer a leitura do livro xD

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/04/resenha-o-limiar.html

    ResponderExcluir
  5. Olá
    Nossa, o tema parece ser ótimo e depois de sua resenha tão positiva com certeza quero ler, que bom que se tornou tão querido para você, espero gostar tanto assim HAHA
    Adorei a resenha ;)

    http://realityofbooks.blogspot.com.br
    Catharina
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oi Mari

    Sabia que vc iria gostar do livro quando vi que envolvia escravidão, essas história normalmente carregam uma drama muito forte e fica impossível não se emocionar assim que tiver um tempo vou querer ler em breve.

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Mari, tudo bem?
    Fiquei super inclinada a ler esse livro agora que li sua resenha! Eu adoro livros que falam sobre qualquer tipo de preconceito e esse parece ser uma linda história de amor.
    Deve ser muito emocionante ver a personagem narrando tudo que ela sofreu por amar um homem negro em uma época em que isso era repudiado. Sou muito revoltada com as injustiças e os preconceitos que as pessoas sofreram e sofrem por causa de cor, religião ou até mesmo de orientação sexual.
    Então tenho certeza de que esse livro irá me emocionar muito!

    Beijão:*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá, Mari, poxa com uma resenha assim fica quase impossível não querer ler o livro, nossa nem sabia da existência desse livro, e olha que sempre vejo os lançamentos da NC, dica anotada adoro esses livros com toque de drama.
    Bjkas
    Dani Casquet - Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  9. Que lindo!!! *--*
    Adoro esse tipo de livro, eu tento muito mas não consigo fugir dos romances e esse me atraiu bastante. Gosto de histórias de época e esse me lembrou um pouco Diário de Uma Paixão.

    BJOS!
    http://luadeneonblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi, Mari!
    Que resenha linda! Eu já tinha visto falar desse livro, mas ainda não havia lido uma resenha dele. Gostei muito do enredo que você descreve. Na vida há momentos e pessoas que nos marcam pra sempre, né. A história parece linda e triste ao mesmo tempo. Depois de tantos anos ela ainda parece sofrer com tudo que aconteceu anos atrás. Antigamente as coisas eram bem difíceis, principalmente as questões sociais, era tudo muito rígido. Vou anotar a dica.

    Beijos!
    Jaque - Meus Livros, Meu Mundo.

    ResponderExcluir
  11. Ei Mari,
    não conhecia o livro, mas fiquei super curiosa com essa resenha linda. Eu já vi alguns filmes que retratam essa época de preconceito tão intenso, e é sempre impossível não se indignar ou não se comover.
    Amei a resenha e a sua indicação.
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi Mari, tudo bom?
    Eu lembro desse livro na época do lançamento, mas não tinha lido nenhuma resenha ainda. Sua descrição sobre a leitura me deixou com vontade de conhecer essa bela história. Falar sobre preconceito é algo que sempre me atrai nos livros porque eu acabo refletindo sobre aquele período. Parece ser uma história incrível.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi Mari! Confesso que quero muito ler essa obra.
    A menina que resenha para ela ficou de enviar, mas esta impossibilitada e a cada resenha fico muito mais curiosa, pois é uma trama me chama muita atenção e mexe muito comigo

    Beijos Fê :*
    http://www.amorliterario.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Mari.
    Nossa, esse livro sempre me olha na estante e me chama rsrs, e eu acabo indo pra outro.
    Acho que ainda não tinha lido uma resenha tão empolgante sobre ele, gostei de alguns pontos bem diferentes destacados na resenha, como o impedimento de estadia de pessoas negras ao escurecer.
    Gosto de enredos que abordam o racismo, e ver o livro favoritado, já me fez colocá-lo na frente da fila.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  15. Oi Mari, tudo bem?

    Quando a gente gosta muito de um livro a resenha acaba ficando grande mesmo. Eu ainda não li este livro, eu lembro que na época do lançamento eu tinha gostado, mas ainda não comprei.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Amigos leitores, sintam-se a vontade para comentar o post. Peço que, por favor, ao tecerem os comentários, não utilizem palavras e expressões que possam ofender os demais. Obrigada.