quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Bate-papo com Daniel Cariello

Olá, amigos!! Tudo bem?
 
Eu adoro um bate-papo com os nossos autores parceiros. É ótimo conhecer as inspirações, o processo de publicação e a vida de quem escreve as histórias que amamos!
 
Hoje é dia de bate-papo e o convidado é o autor parceiro Daniel Cariello, do livro Chéri à Paris.
 
Eu, como vocês sabem, sou louca por Paris!! Louca à distância, já que nunca conheci a cidade. É um sonho que eu pretendo realizar em breve (espero..rss).
 
Enquanto não viajo, foi maravilhoso acompanhar o dia a dia de um brasileiro por lá! Com crônicas super divertidas, Chéri à Paris me fez desejar (ainda mais) viajar (se é que isso é possível).
 
Mas, hoje vamos conhecer um pouco melhor de Daniel Cariello e no próximo post eu conto tudo sobre o livro Chéri a Paris para vocês!
 
 
 
 
Mari: Quando e como você descobriu que gostaria de ser escritor?

Daniel: Desde o começo de minha vida adulta, eu sempre soube que gostaria de escrever, mas isso não significava necessariamente ser escritor. Aos 20 anos, criei um fanzine que ficou conhecido em Brasília. Durou diversos anos. Pouco tempo depois, virei redator publicitário. Adorava lapidar pequenos slogans até ficarem os mais sintéticos possíveis. Tornei-me também jornalista, escrevendo matérias especiais para jornais e revistas. Mas foi quando fui morar em Paris que comecei a exercitar mais meu lado cronista. Nesse momento, dirijo meus esforços para fazer das crônicas o meu ganha pão. Já consigo, em parte, escrevendo textos para a última página da Veja Brasília.

Mari: Qual é o seu livro de cabeceira?

Daniel: Não tenho um livro de cabeceira. Mas algumas obras me marcaram bastante. Posso citar Cem Anos de Solidão (Gabriel García Márquez) e O Encontro Marcado (Fernando Sabino) como exemplo de livros que me deixaram marcas indeléveis.



Mari: Quais são suas inspirações literárias?

Daniel: São várias e diversas. Cada livro que termino me inspira de alguma maneira. Entre meus autores preferidos estão Luis Fernando Verissimo, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos e Machado de Assis. Recentemente li Mia Couto (Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra), Miltom Hatoum (Dois irmãos) e Haruki Murakami (Minha querida Sputnik), e nesse momento estou mergulhado em Romain Gary (La promesse de l'aube). Todos esses autores me deixam com uma pontinha de inveja, uma vontade de ser cada vez melhor e, quem sabe?, um dia escrever tão bem quanto eles.
Mari: Chéri à Paris é um livro de crônicas sobre situações que você passou enquanto morava na França. Como foi para você perceber que situações do seu cotidiano seriam boas histórias? Como foi o momento em que você decidiu passar para o papel as situações do seu dia a dia?Daniel: Eu não percebi que seriam boas histórias, apenas achei que deveria registrar minha temporada francesa de alguma maneira. E como a única coisa que faço bem é escrever, daí veio a ideia de criar um site. Nunca pensei em um blog tradicional, contando meu dia a dia ali, porque isso não interessaria a ninguém, nem a mim mesmo! Dessa maneira, decidi escrever crônicas semanais contando um pouco a experiência de "um brasileiro na terra do fromage". Esse brasileiro nem nome tem, é o Chéri do livro. Então, isso me deu liberdade de misturar histórias reais com outras inventadas. O site virou um sucesso além das minhas expectativas e diversos textos passaram a ser publicados por outros veículos, como Le Monde Diplomatique online, Magazine Brazuca e UOL. 

Mari: Como foi o processo de publicação de Chéri à Paris?

Chéri à ParisDaniel: Em 5 anos vivendo na França, escrevi 300 textos. Ao voltar para o Brasil, decidi colocar em prática a vontade de ver essas crônicas virarem livro. A ideia engatou de verdade quando me juntei a amigos escritores e, juntos, criamos o selo Longe (
www.muitolonge.com.br), que abraça a autopublicação e lançou livros que fazem jus ao nome do selo: todas as obras tratam de viagens, distâncias, estranhamentos.


Mari: Você viveu um dos meus maiores sonhos então, não posso deixar de perguntar: como é estudar na Sorbonne?

Daniel: Estudar na Sorbonne era também um sonho meu. Vivendo na França e trabalhando à distância para o Brasil, tinha muito tempo livre. Então, decidi aproveitar a oportunidade e me inscrevi em um mestrado em jornalismo cultural. A seleção francesa passa pela análise de um dossiê, e o meu interessou aos diretores da faculdade, por eu trazer para o curso a visão de um estrangeiro que trabalhava há anos na área. A experiência foi incrível, apesar de cansativa. O volume de trabalho era grande. Todos os artigos e textos deveriam, claro, ser escritos em francês. Não houve moleza. Nessa mesma época, minha esposa engravidou da nossa filha. Então, tive que me desdobrar para dar conta da revista cultural bilíngue Brazuca, da qual era editor em Paris, dos trabalhos para o Brasil, das tarefas para a faculdade e das obrigações domésticas, que aumentaram muito. A parte boa é que meu francês escrito deu um salto enorme! Assim como minhas olheiras.


Mari: Para você, qual foi a maior dificuldade e maior surpresa em morar em outro país?

Daniel: A grande dificuldade é a adaptação cultural. Os códigos, os costumes, a bagagem cultural, tudo é muito diferente. Por exemplo, nós, brasileiros, adoramos tocar uns nos outros. Na França, eles apreciam a distância física, não gostam muito que fiquemos pegando neles. Nós somos mais expontâneos. Eles, totalmente cartesianos. Essas diferenças, e tantas outras, parecem pequenas, mas são marcantes quando estamos inseridos nessa nova realidade. Muitas das crônicas de Chéri à Paris têm as diferenças culturais como pano de fundo, normalmente cobertas com uma camada de bom humor, que é pra mostrar que essa outra visão de mundo não está errada. E nem certa. É apenas uma maneira diferente de ver uma situação.
 
Mari: Assim que terminei de ler o livro, já senti falta de acompanhar suas histórias. Podemos esperar um novo livro de crônicas? Quais são os seus planos para esse final de 2014 e início de 2015?

Daniel: Há novidades a caminho. Em 2015, devo lançar dois livros: um de crônicas sobre a China, que visitei ano passado e me fascinou, e um segundo volume de Chéri à Paris, já que ainda tenho cerca de 250 crônicas parisienses não publicadas. 
Mari: Em quais redes sociais seus leitores podem te achar?

Daniel: Não possuo ainda perfis do livro nas redes. Mas estou presente e ativo no Facebook (
www.facebook.com/dancariello) e no Twitter (@danielcariello). Podem me cutucar à vontade por lá. 

Mari: Qual Conselho você daria para aqueles que também tem vontade de escrever um livro?

Daniel: Simples: escrevam! Escrevam sem parar. Se os primeiros resultados não estiverem bons, reescrevam ou abandonem a ideia, sem pena, e partam para outra. Não pode haver apego demais a um texto. Às vezes, perdemos tempo tentando corrigir ou melhorar o que já está deficiente na saída, quando o melhor seria ir para uma outra ideia, totalmente nova. E, depois de escreverem, se acharem que está bom o suficiente, publiquem. Plataformas como o KDP, da Amazon, permitem a qualquer pessoa publicar seu próprio ebook, de maneira muito simples. Diversos autores de sucesso se autopublicaram.


Mari: Qual conselho você daria para aqueles que também gostariam de se aventurar em outro país?
Daniel: Também é simples: vão! Ser o estrangeiro é uma experiência engrandecedora. Torna você mais aberto, mais flexível, mais tolerante. Faz enxergar o próprio país e a própria cultura de uma maneira totalmente diferente, o que é muito positivo, pois te afasta ao mesmo tempo do ufanismo e da crítica vazia, que são dois extremos perigosos, na minha opinião. A minha visão do país mudou para sempre depois que vivi um tempo fora. Agora, sei muito bem do que gosto no Brasil. E, principalmente, do que não gosto. Tenho uma relação muito mais saudável com meu país.


 
Daniel, muito obrigada por conversar comigo e com os leitores do blog! Seja bem-vindo ao Cantinho! Fiquei extremamente animada em saber que tem mais crônicas vindo por aí!!! Desejo todo o sucesso a você e ao Chéri à Paris!!
 
Leitores, fiquem ligados no próximo post!!! Mas, se já querem conhecer um pouco mais de Chéri à Paris, não deixem de acessar o site www.cheriaparis.com.br
 
 
Com carinho,
 
 
 

13 comentários:

  1. Oi, Mari, tudo bem?

    Adorei conhecer um pouquinho sobre o autor. Nossa, ele estudou na Sorbonne!!!! Que máximo!!!!!

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oiee

    Muito legal essa entrevista adorei ! Muito chique conhecer Paris né, desejo sucesso ao autor!

    Beijos

    www.livrosechocolatequente.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Eu não havia ouvido falar desse livro até hoje, mas essa entrevista me deixou curiosa!
    Viajar é minha grande paixão, e como eu sempre digo, qualquer destino é válido. Mas ir pra Paris deve ser um sonho!
    Tive a oportunidade de conhecer a minha tão amada Inglaterra, por um breve período. Quisera eu poder ficar lá por 5 anos hahaha Espero fazer um intercâmbio algum dia.
    Amei o conselho sobre escrever um livro. Já comecei a escrever várias vezes, mas nada realmente que fizesse eu mesma me apaixonar pela história. Mas sem pressão, um dia, se tiver que ser, acredito que a história irá fluir naturalmente.
    Parabéns pela entrevista, Mari. E parabéns pelo sucesso do livro, Daniel Cariello!
    Um beijo.
    IG: @ler_paraviver

    ResponderExcluir
  4. Ainda não conhecia o trabalho deste autor, mais depois desse bate-papo, me interessei bastante :)


    blogdosjovensleitores.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Adorei a entrevista, bem legal o ator dividir toda sua experiência lá fora conosco. Sucesso!

    ResponderExcluir
  6. Oi Mari,
    Meu Deus, Paris, isso é um sonho! E a China também!! Amei as dicas dele pra quem quer um dia publicar um livro e pra quem quer viajar (eu, nos dois casos haha) Interessante conhecer a vida de alguém que escreve livros que você gosta. Sucesso à parceria de vocês e espero ansiosamente os outros livros!
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Obrigado a todos que comentaram. Como disse na entrevista, podem me cutucar à vontade nas redes sociais. Beijos e abraços!

    ResponderExcluir
  8. olá Mari, adoro seu blog pois sempre tem algo novo, por exemplo eu não conhecia esse autor e passei a cnhece-lo graças a você..bjos

    ResponderExcluir
  9. olá Mari,
    Adoro seu blog pois você sempre trás coisas novas para nós, como por exemplo esse autor que eu não conhecia e passei a conhecer graças a você..bjos

    ResponderExcluir
  10. E sempre bom aproveitar a cultura de outro país principalmente contada por um Brasileiro obrigada aos dois Mari e Daniel por nós deixar fazer parte desse mundo incrível Parabéns. Bjjinhos

    ResponderExcluir
  11. Adorei a entrevista com o Danil, quero mora em paris assim como em londres por um ano cada.

    ResponderExcluir
  12. Adoro bate-papos com escritores, principalmente nacionais, pois nos ajudam a saber mais daqueles que nos representam.

    http://inquietudessecretas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Boa Tarde Mari e Daniel!Amo demais entrevistas com autores, e esta não deixou a desejar em nada, ainda não conhecia o autor nem o livro, mas adorei saber que fala de uma cidade tão lindas e encantadora ( que assim como você Mari) um dia pretendo poder conhecer. Beijocas e sucesso ao autor!!

    ResponderExcluir

Amigos leitores, sintam-se a vontade para comentar o post. Peço que, por favor, ao tecerem os comentários, não utilizem palavras e expressões que possam ofender os demais. Obrigada.