quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Fugitivos

Olá amigos e leitores,

Um bom dia para todos!

Como vocês estão curtindo o feriadão?
Ahhh.. esqueci! O feriado é só pra mim! É aniversário da minha cidade de Cruzeiro - SP e eu estou hoje à toa, sem a obrigação de ir trabalhar!

E por isso vou resenhar hoje o livro do autor parceiro Carlos Henrique Barros, que escreveu o livro Fugitivos. 

Recebi o livro numa tarde em que estava trabalhando no escritório. Fiquei surpreso e feliz com o pacote. Ao tirar o papel dos correios eu pude ver a embalagem e notei a cortesia e a delicadeza do autor ao enviar o livro todo embrulhado. Esse é um claro sinal de grande consideração com os seus leitores, que tem o prazer de desembrulhar não só o livro, mas também nesse ato simbólico abrir todo o mundo de Caio, Fernanda, Jonas, Gabriel e Bianca! Pra mim, também é uma forma de demonstrar como o autor preza o seu trabalho.

Recebi o livro assim!

O que diz a contracapa:

De onde vem a amizade? O que é necessário para se ter uma vida melhor? Caio, um carioca de 15 anos, perdeu os pais em uma tragédia e foi morar com a avó em Belo Horizonte. Cheio de traumas, causados pelo incidente que vitimou sua família, ele não tem mais desejo de retomar sua vida. Fernanda, de 15 anos, protege seu irmão Jonas, de 11 anos, do temperamento violento do pai. Ela se apaixona por Caio, e este por ela. O sentimento que nutrem, será o catalizador de uma briga que colocará em risco a segurança dos dois. Gabriel, de 17 anos, e Bianca, sua irmã de 5 anos, perderam a mãe, por ela ser viciada e ter sofrido uma overdose, e o pai está preso. Ficam sob a tutela da Justiça e do irmão mais velho, de 20 anos, que apoia o pai em planos escusos para melhorarem de vida. Em Fugitivos, acompanhamos o amor nascer entre Caio e Fernanda, e a força da amizade que surge entre os cinco jovens, de forma tão intensa, que o drama de cada um deixa de ser individual e passa a ser de todos. No momento em que suas histórias se misturam, eles precisam fugir para salvarem suas vidas. Nessa corrida emocionante, que atravessa os estados de Minas Gerais, Bahia, Alagoas e Pernambuco, mais de dois mil quilômetros, iremos descobrir seus sonhos, seus medos, suas tristezas e suas alegrias, tudo envolto por muito suspense, perigo, romance e reviravoltas surpreendentes. 

 O que eu achei:

Não escondo de ninguém que tenho receio de livros nacionais. Mas dois livros patrícios me surpreenderam muito. O primeiro foi "Cisne - Uma geração. Todas as decisões", a brilhante e espetacular ficção científica da gaúcha Eleonor Hertzog. Quem quiser, pode curtir a resenha da Mari clicando AQUI.  

O segundo livro que me impressionou é esse do autor Carlos Henrique Barros. "Fugitivos" facilmente me inseriu no universo dos personagens e tirou o meu sono durante a leitura, principalmente com as partes mais duras e pesadas da obra, em que é possível ver como famílias desestruturadas podem gerar problemas tão drásticos e que mesmo nessas situações ruins surgem amigos que auxiliam a passar pelas adversidades.

Não consegui concluir a leitura mais rapidamente porque passei os meses de agosto e setembro em preparação para uma importante prova. Então a leitura de Fugitivos se deu nos finais de noite, em que eu pegava o livro fechado, olhava para a capa e o abria para a leitura, sabendo que eu não podia me estender muito, senão perdia a hora de levantar no dia seguinte!

Ao pegar o livro pela primeira vez, já fiquei curioso com relação a capa. Num fundo avermelhado, como um pôr do sol, vemos cinco silhuetas (que depois sabemos que são Bianca (e o Trigue), Gabriel, Caio, Fernanda e Jonas). Mas na primeira vez que a vi, tive a impressão de que se tratava de uma família de retirantes, dado ao fundo avermelhado dando a impressão de sertão árido. E a palavra "Fugitivos" toda recortada por arames farpados, numa claríssima idéia de prisão.

Detalhe da capa
Mas eram apenas jovens que queriam fugir. Fugir de suas dores e de seus problemas, procurando uma vida melhor. Quem nunca se viu diante de problemas que não tinham solução e pensou que fugir era a única saída? Caio é um menino de 15 anos que acabou de perder os pais num deslizamento de terra, uma tragédia que vitimou seus pais e que o fez ir morar em Belo Horizonte com a avó, sua única parente viva.
Gabriel e Bianca são irmãos e também carregam a carga pesada de uma tragédia familiar. Sua mãe morreu de overdose e o pai está preso. E Fernanda e Jonas também são irmãos que convivem diariamente com o medo. Eles temem o pai, o monstro que agride Jonas sem motivo aparente, um doente que despeja a sua ira no filho.

E os cinco adolescentes começam a construir uma relação de amor e de amizade sem precedentes. Caio e Fernanda começam a namorar num curto espaço de tempo, fazendo com que ambos se apoiem perante as dificuldades. Nesse mesmo tempo, Gabriel, Caio, Fernanda, Jonas e Bianca também constroem uma sólida amizade, que se fortalece a cada crise e que parece indestrutível.

Parte I
O livro é dividido em duas partes. Na primeira parte do livro, o autor constrói a base para a segunda fase, que efetivamente mostra a fuga dos jovens. É nessa primeira parte que são explicadas as desgraças familiares que servirão de estopim para a ligação tão intensa entre os cinco personagens principais. Nesse ponto, impossível não aplaudir a descrição emotiva e fidedigna da morte dos pais de Caio, quando ele conta a Fernanda como seus pais morreram no deslizamento de terra. Não tenho o costume de chorar ao ler um livro, mas admito que fiquei com o estômago revirado com tamanha veracidade no momento em que li esse trecho do livro.
Parte II

Por falar em repulsa, da mesma forma é impossível não sentir náusea quando lemos as partes em que Renato aparece ou que os personagens Wander e Mauro tecem suas armações criminosas.

Como eu disse, Carlos Henrique Barros também consegue implantar o leitor no universo dos cinco personagens de uma forma bem fácil. A narração é simples, mas não simplória. Explico: A narrativa segue sem complexidade, mas não é ingênua. Se ainda não me fiz entender, digo que a linguagem facilita com que o leitor se ambiente com rapidez na história, conseguindo prender a sua atenção a todo momento. 

Interessante o fato de que o autor traz para o livro lugares reais de Belo Horizonte. Nunca estive na capital mineira, mas comentei com a Mari e ela garantiu que os nomes e localizações de bairros, praças, ruas, shoppings são exatamente aqueles descritos no livro.

Admiro bastante quem tem a capacidade de introduzir localidades reais nas suas obras. É um traço que raramente se vê na ficção e mostra técnica apurada, pois ao invés de criar tudo novo, o autor tem que adequar a sua história ao lugar existente.

Ainda dentro desse assunto, interessante como o autor consegue trazer muita ação (em algumas passagens até de uma forma hollywoodiana) dentro do livro. Vemos assalto, um quase afogamento, diversas brigas, perseguição. A cena final com Mauro na fazenda de Fábio é de uma tensão enorme. Só que ele também consegue conjugar humor, amor e partes mais leves quase que na mesma passagem. O amor de Caio e Fernanda é puro e ao mesmo tempo forte, capaz de uni-los a cada dia mais perante cada obstáculo. É muito bonito. E Jonas é o personagem que o autor escolheu pra trazer as partes mais engraçadas, mas eu admito que nunca ouvi ninguém chamar outra pessoa de "prego".

Não só a narrativa merece elogios. A história também é original e é crível, plausível. Quantas pessoas tem vidas arruinadas por catástrofes ou têm famílias desestruturadas? Eu conheço muitas pessoas assim. E como na vida real, em Fugitivos eles precisam recomeçar a vida de alguma forma. Então, o autor conduz os acontecimentos na primeira parte do livro e "fecha" a história para a segunda fase da obra. Nada fica sem explicação para começar a segunda parte, uma grande preparação para a fuga dos cinco adolescentes. Evito falar sobre trechos específicos dos livros para não revelar partes importantes do enredo, sobretudo para quem ainda não leu, pois sei como isso pode ser extremamente desagradável.
sobretudo para quem ainda não os viu ou leu

"spoiler", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/DLPO/spoiler [consultado em 01-10-2014].
sobretudo para quem ainda não os viu ou leu

"spoiler", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/DLPO/spoiler [consultado em 01-10-2014].

Aqui não tem!

É um livro muito bem escrito e me prendeu desde o início. 
Aguardarei o segundo volume, esperando que o autor consiga manter o alto nível que demonstrou nesse primeiro livro.
E torço para que Fugitivos seja lançado por uma grande editora o mais breve possível.

Autógrafo personalizado!
Até a próxima!





Dados do livro:

Nome: Fugitivos
Autor: Carlos Henrique Barros
Páginas: 643




16 comentários:

  1. Adorei a resenha, confesso que não leio muitos livros nacionais, mas esse vai para minha listinha, é muito bom ler e ter a oportunidade de conhecer lugares do próprio país.

    ResponderExcluir
  2. olá Mari, assim como você também tenho um pouco de receio por nacionais, mais se um dia eu ter a oportunidade de ler, eu lerei, pois esse livro me chamou a atenção pois neste momento da minha vida tbm quero fujir de tudo inclusive minha dores
    bjus

    ResponderExcluir
  3. Marquinho, antes de mais nada, preciso dizer que você é um ridículo esnobando seu feriado enquanto eu estou aqui trabalhando! hahahaha. mas parabéns à nossa Cidade Menina!!

    Eu adorei sua resenha e fiquei com bastante vontade de ler o livro, fica a dica pra vc me emprestar ele depois que eu devolver O Pintassilgo! hahahaha

    Beijos
    www.serleitora.com.br

    ResponderExcluir
  4. Opa, to adorando o feriadão, ta sendo ótimo pra eu descansar da faculdade, ainda mais que emendou e vou ficar atoa até domingo! (moro em Cruzeiro também).
    Adorei a resenha do livro, parece ser uma história bem forte e verdadeira e o fato de ser protagonizada pro crianças eu acho que deixa um sentimento melhor ainda, choca mais acompanhar as dificuldades pelas quais elas passam. Foi pra minha lista de desejados com certeza.

    ResponderExcluir
  5. Não tenho nada contra livros nacionais, confesso que li poucos, mas todos que li eram ótimos!

    Quanto a esse livro, fiquei bem interessada, o entendo parece legal e realmente gostei dessa capa!

    ResponderExcluir
  6. Interessante a premissa do livro... Realmente uma familia desestruturada traz consequencias inimagináveis pra uma criança ou um jovem... Se visse a capa e a sinopse desse livro provavelmente não me chamaria a atenção, mas sabendo um pouquinho mais do que se trata fico tentada a dar uma chance... Parece ser um livro denso, na questão dos sentimentos dos jovens... Lerei assim que conseguir parar com as leituras densas da faculdade...
    Kisses =*

    ResponderExcluir
  7. Oi Marcos, tudo bom?
    Quando eu fiquei sabendo da premissa do livro, eu já fiquei interessada em lê-lo. É muito comum ver famílias desestruturadas no Brasil e achei o autor corajoso por abordar essa temática. Fiquei curiosa para conhecer esses personagens que são tão jovens e tem tantos sonhos nesse período da vida.
    Beijos!
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ei Mari e parabéns mais uma vez Marcos! A resenha ficou incrível. O livro parece ser bem legal de se ler, já que gosto de livros nacionais desde sempre e não tenho medo de experimentar novos autores brasileiros . E ele possui os dois pontos que me pegam logo de cara: romance e uma boa dose de amizade! Espero que Fugitivos seja lançado por uma grande editora! Bjs

    ResponderExcluir
  9. Oi, Marcos!
    Os livros nacionais têm se revelado cada vez melhor.
    Confesso que quando vi essa capa, não me interessei pela obra e pensei o mesmo que você. Achei que fosse uma família fugindo das dificuldades de sua região e isso não despertou em nada meu interesse. Mas quando li a sua resenha percebi o tamanho do meu erro, julguei tão mal um livro que parece ser maravilhoso.
    Agora que vi além da capa, estou curiosa para conhecer essa história.
    Beijos
    Construindo Estante || Facebook

    ResponderExcluir
  10. Olá
    Eu gosto da literatura nacional, apesar de não ler com tanta regularidade. Pareceu-me uma boa história.

    A capa realmente nos deixa curiosos. Desde de o post da entrevista com o autor eu fiquei com vontade de ler esse livro.

    Abç
    hollywoodemcasa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Olá, Marcos
    Tudo bem?
    Ai que lindinha a embalagem hahaha a resenha ficou demais, não conhecia mas já adorei a dica, muito legal!
    Beijos*-*
    Território das Garotas

    ResponderExcluir
  12. Olá Marcos!
    Tudo bom? :D
    To sumido daqui, nem percebi que você virou colunista hahahaha!
    O livro parece ser bem interessante! :)
    Existem muitos livros nacionais que são incríveis, e muitos autores com bastante potencial, a questão é saber procurar :D

    ResponderExcluir
  13. Olá !
    Tudo bom ?
    Tudo chama a atenção neste , a embalagem é muito top , a capa então nem se fala , o livro me pareceu bastante interessante apesar dele ser nacional e de um gênero que não sou muito fã . Gostei (Y)
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Oi, tudo bom?
    Gostei muito da resenha, ainda não conhecia o livro nem o autor, e que fofo ele né, mandar o livro todo embrulhadinho e bonitinho, fiquei mega interessada na historia dele, e pretendo sim ler, principalmente porque estou amando ler nacionais.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  15. Parabens pela parceria com autor Carlos.H !
    Achei livro bem interessante e ao mesmo tempo diferente!
    Muiito linda da parte dele embrulha o livro com embalagem linda!
    Adoorei conhece este livro, isso percebe que literatura brasileira
    esta evoluido muuito esta cada dia melhor

    ResponderExcluir
  16. Muito bom, to esperando o lançamento desse livro, quero ler!!

    tvleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir

Amigos leitores, sintam-se a vontade para comentar o post. Peço que, por favor, ao tecerem os comentários, não utilizem palavras e expressões que possam ofender os demais. Obrigada.